COLÉGIO DE SÃO BENTO DO RIO DE JANEIRO

VÍDEO - DOM LOURENÇO.
VÍDEO - DOM TADEU.


ORA ET LABORA.



O Colégio de São Bento, no Rio, obteve a melhor média do Enem 2008.

28/04/2009

Parabéns meninos!!

Pelo segundo ano consecutivo, o Colégio de São Bento, fundado por monges beneditinos em 1858, no centro do Rio, e última das escolas tradicionais a não aceitar meninas, obteve a melhor pontuação entre todas as escolas do Enem. O desempenho dos 71 alunos do 3º ano do ensino médio do Colégio tiraram em média as melhores notas do país no Exame Nacional do Ensino Médio, com 80,58 pontos. O ranking foi divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O exame serve como referencial para os pais acompanharem a formação dos filhos e é utilizado como porta de entrada para 600 estabelecimentos de ensino superior em todo o país. Formandos de 26.665 instituições participaram da avaliação promovida em nível nacional pelo Ministério da Educação (MEC).

Esta já é a quarta vez que o Colégio de São Bento lidera o ranking nacional do Enem, tendo alcançado a mesma marca nos anos de 2005, 2007 e 2008. Em 2009, os alunos do Colégio tiveram 90% de aprovação nas universidades públicas do Rio de Janeiro, conquistando os primeiros lugares de várias carreiras concorridas, como Medicina e Direito. Sete alunos do Colégio de São Bento aproveitaram o resultado do Enem para entrar na UniRio e na PUC.

Pedro Araújo, Coordenador do Ensino Médio, considera a dedicação dos alunos em conjunto com bons professores como fatores fundamentais para o bom resultado: "É fruto de muito trabalho, da dedicação dos alunos e professores. Os nossos professores são heróis, muito qualificados, que se dedicam quase exclusivamente aos meninos. Não apenas os do Ensino Médio, a dedicação dos professores vem desde o Ensino Fundamental. O professor do São Bento é muito exigido pelos alunos. É uma sementinha plantada desde cedo."

A Supervisora Pedagógica Maria Elisa Penna Firme Pedrosa, confirma o método: "O resultado vem do ritmo de estudo do Colégio de São Bento em toda a Educação Básica. O processo de aprendizagem se dá ano a ano, passo a passo, sempre procurando fazer com que o aluno dê o máximo do seu potencial".

No Colégio, os jovens são educados com disciplina rígida e passam por, no mínimo, cinco avaliações no ano. Os alunos de ensino médio têm aula de manhã e à tarde e têm de almoçar dentro do Colégio.

O melhor Colégio do Brasil segundo o Enem tem uma peculiaridade: só aceita meninos. Como a escola fica ao lado do Mosteiro de São Bento, um dos ícones da arquitetura barroca do país, os jovens estudam no alto de uma montanha com vista para a Baía de Guanabara. Além de aprender sobre história da arte in loco, indo ao mosteiro, os alunos têm em seu currículo obrigatório aulas de música, francês (além do inglês) e teologia.

Comandado por monges beneditinos, o Colégio adota a educação cristã criada pela ordem, e não se abre para novas teorias de aprendizagem. "A produção escrita é muito valorizada e o aprendizado do conteúdo é avaliado cinco vezes durante o ano", afirma Maria Elisa Pedrosa, supervisora pedagógica. Quem consegue atingir a média 7 nessas cinco avaliações está livre do exame final. Quem não passar neste, fica em recuperação – e, se tiver o mesmo resultado em mais duas disciplinas, já está reprovado.

O rigor acadêmico é o motivo para o Colégio ter sido, pela terceira vez, o melhor do Brasil. A disciplina, rígida, parece não afastar os alunos. "Eles têm de manter o uniforme com muito zelo", diz a supervisora, que faz questão de exigir cabelo sempre aparado e ausência de quaisquer adornos. Piercings, brincos, pulseiras, anéis e colares, só do lado de fora da escola. Só o relógio é permitido. "Isso evita a ostentação e qualquer competição entre os alunos", afirma.

A dificuldade em passar de ano é que pode aumentar a taxa de evasão do Colégio. "A porcentagem de repetência entre os alunos do 1º ano do ensino médio é de 20 a 25%", diz Maria Elisa. Uma porcentagem muito acima da média. "Muitos desistem do Colégio, mas estamos trabalhando para que eles continuem e não encarem como um fracasso", afirma a supervisora, que considera não passar de ano um desafio. Se o aluno sai do São Bento, desiste do desafio. Os que ficam conseguem passar nas principais universidades públicas do Rio de Janeiro e de São Paulo. Em 2007 e 2008, mais de 90% dos alunos conseguiram vagas nessas instituições.

O peso da tradição da instituição, que este ano completa 151 anos, reflete-se também nas carreiras escolhidas por seus alunos. A maioria opta por Direito, Engenharia e Medicina.
- Vou fazer Direito. As pessoas aqui são mais tradicionais mesmo e seguem as carreiras clássicas. Mas não temos medo de vestibular ou de Enem. O São Bento prepara para tudo - diz Victor Gianini, de 18 anos.

O tempo que os alunos passam na escola é dedicado exclusivamente aos estudos: aulas de manhã e à tarde, incluindo oficinas e laboratórios de física, matemática, biologia, química. Durante o almoço, é proibido sair. Eles comem no restaurante da escola, valor que já está incluído na mensalidade: de R$ xxxx a R$ xxxx nas três séries do ensino médio. Para justificar o preço, os professores ganham bem, uma média de R$ xxxx a R$ xxxx por mês – a maioria com pós-graduação e, segundo Maria Elisa, muitos com mestrado e doutorado.

O ensino no São Bento é tradicional e religioso. E só aceita meninos.

E as meninas? Estão presentes só nas atividades extra-escolares. "Elas podem entrar nas festas juninas ou em eventos, como festivais de música", afirma a supervisora. Há quem condene essa segregação argumentando que tolher o contato entre meninos e meninas na adolescência pode afetar o desenvolvimento do futuro adulto. Maria Elisa discorda. "Eles têm contato com as irmãs, amigas das irmãs, em festas... Se não têm no ensino médio, terão na universidade", afirma. Não se pode provar que a presença feminina atrapalha os garotos, qualquer teoria seria especulação. E também não se pode provar o contrário. Que o diga os resultados acadêmicos alcançados pelos meninos do São Bento.

Já passaram pelo colégio personalidades brasileiras como Heitor Villa-Lobos, Benjamin Constant, José Arthur Farme de Amoedo, Noel Rosa, Alfredo da Rocha Viana Filho (Pixinguinha), Clóvis Bevilacqua, autor do projeto do Código Civil Brasileiro, o ator Guilherme Fontes, o humorista Hélio de la Peña, José Eugênio Soares (Jô Soares), Lamartine Babo, Pedro Mobilio, entre outros.

Os alunos assinam embaixo: "É uma relação diferente, com mais liberdade e camaradagem, aqui tem um clima meio de confraria que eu não vejo em outras escolas", diz o estudante de Engenharia do Petróleo na Universidade Federal do Rio de Janeiro Elísio Fernandes, de 18 anos. Ele foi um dos alunos que fizeram o Enem de 2008.

Aqueles que se formam, aqui, estão preparados para encarar os problemas da vida, não só o vestibular. Saem homens daqui quando entram meninos. (...) Se me debulho em lágrimas quando percebo o fim da minha história escolar no Colégio. (...) O brasão do Colégio estará marcado para sempre no meu coração. Fala o estudante de Engenharia Mecânica na UFRJ Pedro Mobilio, de 17 anos.


TEXTO: MAIS QUE UMA VIDA, UMA HISTÓRIA.


E N E M
1º PASSO - ENTRAR!
ALGUNS ALUNOS DE 2008
TEM QUE SER GUERREIRO!
RELIGIOSO

Passar pelo Colégio de São Bento é uma batalha...
Por isso somos sobreviventes.

RADIOGRAFIA DO COLÉGIO EM 2009.
Alunos: 1063 alunos;
Ensino Fudamental: 768 alunos;
Ensino Médio: 295 alunos;
A mensalidade: de R$ xxxx que paga um aluno no 3º ano;
Informática: dois laboratórios;
Quadras: duas quadras poliesportivas;
Professores: 140 docentes;
Classes: 39 salas de aulas;
Turmas: trinta alunos por sala;
Vagas: dois alunos por vaga é a concorrência para entrar no ensino médio;
Academia: uma academia de musculação;
Piscina: uma piscina semi-olímpica;
Auditório: dois auditórios;
Cinema: uma sala de cinema;
DVDteca: 2.500 títulos;
Biblioteca: 30.000 volumes;
Restaurante: para alunos e professores.


Ora et Labora